Um verdadeiro líder encarna vários papéis quando está atuando em uma organização ou na vida. Não basta o líder saber influenciar e orientar as pessoas, ele deve ajuda-las a desenvolver a capacidade de realizar bem suas tarefas, a crescer como pessoas e a evoluir em sua forma de lidar com a empresa, com as instituições e com a sociedade.

Robert E. Quinn et al., em seu livro Competências Gerenciais, aponta oito papéis para um líder dentro de uma organização, classificando estes papéis em quatro modelos: Modelo das Metas Racionais, Modelo dos Processos Internos, Modelo das Relações Humanas e Modelo dos Sistemas Abertos.

No modelo das metas racionais, um dos papéis desenvolvidos pelo líder é o de Diretor. Neste papel suas competências devem ser o desenvolvimento e a comunicação de uma visão; o estabelecimento de metas e objetivos; e o planejamento e organização dos trabalhos. Suas principais atividades são: Explicitar expectativas por meio de processos, tais como planejamento e delimitação de metas; ser um deflagrador decisivo, que define problemas, seleciona alternativas, estabelece objetivos; e definir papéis e tarefas, gerando regras e políticas e fornecendo instruções. Outro papel do líder neste modelo é o de Produtor, que reúne as seguintes competências: Trabalho produtivo; fomento de um ambiente de trabalho produtivo; gerenciamento do tempo e do stress. Neste papel suas características são: Orientação para tarefas;  manutenção do foco no trabalho; alto grau de interesse, motivação, energia e ímpeto pessoal; assunção de responsabilidades; elevada produtividade pessoal; e motivação da equipe pelo exemplo.

Na área dos processos internos, um dos papéis que desenvolve um líder é o de Monitor, que tem por principais competências o monitoramento do desempenho individual; o gerenciamento do desempenho e processos coletivos; e a análise de informações com pensamento crítico. Neste papel o líder deve realizar as seguintes tarefas: Averiguar se os liderados estão fazendo a sua parte; dominar todos os fatos e detalhes e ser um bom analista; analisar e responder a informações de rotina; conduzir inspeções e vistorias; e rever relatórios e outros documentos. Um segundo papel do líder quando está atuando de acordo com o modelo dos processos internos é o de Coordenador, que tem as seguintes competências-chave: Gerenciamento de projetos; planejamento do trabalho; e o gerenciamento multidisciplinar. As principais tarefas do líder neste papel são: Sustentar a estrutura e o fluxo do sistema; providenciar recursos diversos para a facilitação do trabalho; agendar, organizar e coordenar os esforços da equipe; administrar e enfrentar as crises; resolver dificuldades de ordem tecnológica, logística e doméstica.

No modelo dos sistemas abertos, o papel de Inovador deve estar presente com as seguintes competências: Convívio harmônico com a mudança; pensamento criativo; e gerenciamento da mudança. Ao mesmo tempo, suas principais atividades são: Identificar tendências significativas dentro de um ambiente de mudanças; conceitualizar e projetar as mudanças necessárias; tolerar as incertezas e riscos; sonhar e criar, ser capaz de enxergar longe, vislumbrar inovações e convencer os demais de que são necessárias e desejáveis. No mesmo modelo de atuação líder também tem o papel de Negociador, com as seguintes competências associadas: Construção e manutenção de uma base de poder; negociação de acordos e compromissos; apresentação de idéias. No mesmo papel seus desafios são: Sustentar a legitimidade exterior e obter recursos externos; ter astúcia política, capacidade de persuasão e influência, e poder; representar e negociar; vender e servir de intermediário e porta-voz.

Por fim, o modelo menos explorado pelos atuais líderes de empresa é o modelo das relações humanas, muitas vezes mal interpretado como o modelo das “ralações” humanas, que também prevê dois papéis para o líder: No papel de Facilitador, o líder deve ter como competências a construção de equipes; o uso do processo decisório participativo; a administração de conflitos. Bem como, ter como principais desafios fomentar os esforços coletivos; promover a coesão e o trabalho em equipe; administrar conflitos interpessoais; reforçar a coesão do grupo trabalhando no moral coletivo; e obter colaboração e participação na solução dos problemas do grupo. No segundo papel, o de Mentor, o líder deve trabalhar as competências: Compreensão de si mesmo e dos outros; comunicação eficaz; desenvolvimento dos empregados. Neste papel suas principais tarefas são: Dedicar-se ao desenvolvimento das pessoas; ser solícito, atencioso, sensível, afável, aberto e justo; escutar e apoiar as reivindicações legítimas do seu grupo; transmitir apreciação e distribuir elogios e reconhecimentos; proporcionar oportunidades de treinamento para seus liderados.

Conforme o posto de trabalho, situação contingencial ou área de atuação, um líder terá que desenvolver muitos destes papéis ao longo de sua carreira. Contudo, um líder de alto desempenho procura obter todas as competências aqui citadas, tendo muitas vezes sucesso parcial nesta busca, para bem realizar a sua missão.

Para saber mais sobre o tema visite o site da Quântica Treinamento Empresarial em http://www.quanticaconsultoria.com

Comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s