por Ruy Motta

No livro “Alice no País das Maravilhas” há um trecho muito interessante quando a personagem se encontra com o Gato de Cheshire, para ser analisada sob a ótica de tomada de decisão.
Alice e o Gato travam o seguinte diálogo:

Alice: “Você poderia me dizer, por favor, qual o caminho que devo tomar para sair daqui? ”.
Gato: “Isso depende muito de onde você quer ir”.
Alice: “Não me importa muito onde…”.
Gato: “Nesse caso não faz diferença o caminho que você escolha”
Alice: “…contanto que eu chegue a algum lugar”.
Gato: “Oh, você pode ter certeza que irá chegar, se caminhar bastante”.

Resumindo: se você não sabe o que quer, aonde quer chegar, nem há uma direção a ser seguida, qualquer decisão sobre o caminho a percorrer serve, pois todos irão dar em algum lugar.
Se você não sabe onde quer chegar, como pode ter parâmetros para decidir corretamente. Baseado em quê? Com que objetivo?
A dúvida de Alice de qual caminho deve seguir tem relação com as dúvidas dos tomadores de decisão ao decidir o que é melhor para uma empresa ou para sua vida.
Nas empresas ou na vida, se não há uma clareza da direção em que a mesma deve seguir, fica complicado estabelecer parâmetros para decisões corretas. Enquanto cada unidade (seja uma área da empresa, seja um membro de uma comunidade) define seus parâmetros, eles podem ser conflitantes entre si. Um rema para a direita e outro para a esquerda e o barco não sai do lugar.

A orientação para subsidiar todas as decisões deve ser a Visão, que define a situação futura esperada para a empresa ou para um grupo de pessoas. A Visão contém um desafio a ser atingido e responder aonde se quer ir. Ela deve guiar os comportamentos das pessoas, para atingir o desafio e, por consequência, permitir a realização futura da Missão da organização ou da comunidade.
Ken Blanchard e Jesse Stoner definem visão como “saber quem você é, para onde está indo, e o que guiará sua jornada”.

A Visão não pode ser apenas um slogan ou um belo quadro dependurado na parede, mas deve influenciar as pessoas a vivê-la no dia a dia. Deve declarar qual o seu negócio ou afazer, como ele será no futuro e os valores sobre os quais se apoia.
Baseado na Visão as tomadas de decisão passam a ser orientadas mais facilmente. As decisões devem buscar aproximar a situação atual da realidade planejada pela Visão.
Assim, quando formos tomar uma decisão devemos verificar se esta nos aproxima mais do que sonhamos como objetivo ou nos afasta dele?

Até mesmo quando não se tiver uma Visão clara, cada unidade pode ter uma Visão local e se guiar pela mesma. É responsabilidade dos líderes definir a Visão clara do que é o sonho da sua unidade e direcionar suas decisões para atingir este alvo.
A Visão é mutável com o tempo, pois novos desafios devem surgir e motivar a equipe a perseguir novos sonhos.

O Líder busca orientação para tomada de decisão na Visão.

Referências
BLANCHARD, Ken et al. Liderança de Alto Nível; Porto Alegre: Bookman, 2011;
CARROL, Lewis. Alice no País das Maravilhas. Disponível em http://livrosonlinegratis.net/alice-no-pais-das-maravilhas-por-lewis-carroll/. Consultado em 30/12/2016.